Estou chegando ao fim.

São dias cinzentos.
Nebulosos, tímidos e mau humorados.
Dias em que meu cobertor prende meu corpo junto à cama, evitando que eu levante e me depare com a rotina de sempre.
Procuro vestígios de qualquer novidade que possa ter surgido, capaz de me dar ânimo para começar o dia. Mas não há nada.
Não há uma mensagem ou uma ligação perdida. Não há ninguém diferente em casa. Não há nem se quer o sol raiando por entre as cortinas.
E eu preciso de tão pouco para me alegrar …

Aí do outro lado da tela, talvez você esteja me diagnosticando com depressão ou qualquer outra doença capaz de remover toda a alegria de uma alma.
Alegre-se.
Há um quê de dramático no tom de minhas palavras quando estou nestes dias cinzentos.
No tom das palavras, não nos fatos.

A verdade é que ouvindo o som da panela de pressão há alguns metros, tentando identificar se já esta na hora de desligá-la, aqui do meu quarto, tento aplacar minha ansiedade entre as palavras que escrevo, agora.
Ansiedade que corrói meu organismo e talvez, até seja contribuinte do acinzentado que me rodeia.
Estou chegando ao fim.
Estes dias já me cansaram.
Há noites em que me lembro do sol e água fresca que tomei por entre as brisas da vida.
Mas olhar para trás não transforma o presente.
Nesta noite, antes de pegar no sono, me decidi: já não quero mais isso.
Eu já me cansara há tempos, mas nunca me apeguei a um motivo bom o bastante para tomar uma decisão.
Primeiro, gostaria de deixar claro que amo a vida. Eu me apaixono por ela todas as manhãs, com ou sem sol.
Gosto de como o azul do céu se movimenta por entre as nuvens e se aproveita dos raios de sol para se revelar em outros tons.
Por estes e outros motivos, estou chegando ao fim destes nebulosos dias.

Se as coisas não vão bem por ai, você deveria vir comigo.
Vir comigo atras de dias melhores, de motivos melhores, de pessoas melhores.
Há muito pouco da vida para se viver.
A verdade é que há somente o agora. Este minuto. Este instante.
E não só deve como merece ser aproveitado.
Sempre me lembro que entre milhares de espermatozoides, fui eu quem venci a corrida.
Porque desistiria agora?!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: